Biografia

00:45 Filipe de Fiuza 0 Comments




Filipe de Fiúza, poeta português com estudos em engenharia civil e energias renováveis, nasceu em Sintra - São Pedro de Penaferrim, a 14 de julho de 1983. A sua religião é a poesia, porque Deus é a imaginação.

Poeta.

Iniciou a sua actividade literária com quinze anos escrevendo poemas de amor.

No verão de 2003, foi voluntário na Ordem dos Irmãos de S. João de Deus onde colaborou em diferentes tarefas diárias na Casa de Saúde Mental do Telhal (Sintra), onde conheceu e ficou amigo do poeta António Gancho (1940-2006).

É membro da W.P.S. - World Poets Society e da APE - Associação Portuguesa de Escritores, representa Portugal na UNIVERSE - Organização das Nações Unidas da Poesia e integra o Movimento dos Poetas do Mundo. Desde 2009 que vem trabalhando em diversos projetos culturais na Caminho Sentido Associação Cultural como, por exemplo, o recital Poetry&Coffee. Publica desde 2011 a rúbrica "Das origens Catacósmicas" para a e-magazine Selene Culturas de Sintra.

Em parceria com o Atelier Criart e a fotógrafa Mariis Capela, organizou e apresentou em 2012 uma série de reuniões poéticas com poetas locais num evento popularizado por Poetas Aqui Connosco.

Até hoje, já publicou quatro livros, três de poesia e um com poesia e aforismos. Os seus livros foram apresentados publicamente na Feiro do Livro de Lisboa, na Sintra TV e em muitos outros lugares públicos, tais como bibliotecas munipais e feiras culturais

No futuro próximo, Filipe de Fiúza vai publicar vários livros de poesia. Ensaios e traduções também estão nos seus planos literários.

Neste momento, o poeta trabalha em projectos nacionais e europeus de promoção e divulgação da vida e obra de poetas.


Engenheiro.

Filipe de Fiúza é membro da Ordem dos Engenheiros desde 2011, a instituição pública nacional português de engenheiros profissionais. Trabalhou em sistemas de energias renováveis ​​em edifícios, edifícios inteligentes e projetos de casas solares passivas.

Também tem trabalhado algum tempo com sistemas de pilhas de combustível de hidrogénio e é a sua integração com edifícios e produção de energia renovável. A nanotecnologia é parte de sua experiência de trabalho como engenheiro.

Como Julio Verne, acredita que a água vai um dia ser utilizada como combustível.


Activista.

Filipe de Fiúza foi voluntário na área de Saúde Mental de Saúde Mental Casa de Telhal (2003); na área de Exclusão Social (Lisboa) para a Associação Futuro Autónomo (2004-2005); na área dos Direitos Humanos para a Amnistia Internacional - Grupo 19 (Sintra) (2010/2011).

Activista e mentor do Projeto Cívico Sintra em Ruínas, onde durante o ano de 2012 conseguiu fotografar, registar, organizar, mapear e relatar 129 casos de edifícios em estado desocupado, semi-ruína ou ruína no concelho de Sintra, principalmente dentro centro histórico.

Neste momento, Filipe de Fiuza está orientando um novo projeto que irá promover o direito dos cidadãos à liberdade de expressão na sociedade portuguesa, chamado Critico - Movimento Político.