79 Solidões: novo ensaio poético-filosófico



ISBN: 978-989-54694-5-1
Depósito Legal: 468535/20

«O que tu sentes não é amor é infinito.», pág. 87.


71

Claridade infinita, é a certeza que sinto, querer
sonhar nessa claridade, o amor divino que o sonho
é na vastidão finita do homem. A viagem, o céu, a
chave que abre e relança o destino nas esferas, o
mito da existência perfeita em um mundo visitável –
este mundo é como viver numa redoma mágica e
absurda – bilhete temporal, para ser sincero, o
cosmos é uma mentira. Viajar? O que viaja é o
pensamento. Amar? O que ama é o infinito em nós
e nós perdemos o amor nesta nossa aparente
finitude mundana. O que tu sentes não é amor é
infinito. Abrir a existência ao céu dos sonhos, à
mentira que nos visita nesta redoma patética – ida e
volta. 2013.05.09

Áster - Versus Deus



ISBN: 978-989-54694-4-4
Depósito Legal: 467322/20



Poema Inaugural:

Ninguém dirá quem sou
Existo-vos no silêncio
Da grande verdade
Ninguém dirá quem sou
Nasço-vos da sequela
Que nutre da luz
Ninguém dirá quem sou
Tenho-vos adormecidos
No sono do mistério
Ninguém dirá quem sou
Sou-vos do eterno devir
A alma em vós a sonhar
Oh, ninguém dirá ninguém
Enquanto não acordar
Do ser que é quem sou,
Quem sou dirá ninguém.


possible translation by the author:

Nobody will say who I am
I exist in the silence
Of the great truth
Nobody will say who I am
I am born from the sequel
That nourishes from the light
Nobody will say who I am
I have you asleep
In the sleep of mystery
Nobody will say who I am
I am yours eternal becoming
The soul in you dreaming
Oh, no one will say no one
Until wakes up
From the being who is me
Who I am will say no one.



Justitia Mater



Antero de Quental


Justitia Mater


Nas florestas solenes há o culto
Da eterna, íntima força primitiva:
Na serra, o grito audaz da alma cativa,
Do coração, em seu combate inulto:

No espaço constelado passa o vulto
Do inominado Alguém, que os sóis aviva:
No mar ouve-se a voz grave e aflitiva
D'um deus que luta, poderoso e inculto.

Mas nas negras cidades, onde solta
Se ergue, de sangue medida, a revolta,
Como incêndio que um vento bravo atiça,

Há mais alta missão, mais alta glória:
O combater, à grande luz da história,
Os combates eternos da Justiça!

Antero de Quental, in "Sonetos"

Aforismos 2 - Versus Vox



ISBN: 978-989-54694-2-0
Depósito Legal: 466548/20


excertos da obra: